domingo, 19 de abril de 2009

Correlações do Tarô com outros sistemas

Por Ana Marques

Com todo mistério que envolve a origem do Tarô uma série de possíveis uniões com outros sistemas foi sendo arquitetada. Nesse capítulo estaremos abordando-as de maneira simplificada, apenas para que se tome conhecimento de sua existência e lógica.

O Tarô e a Cabala

O primeiro a ligar o Tarô com a Cabala foi Eliphas Levi (codinome de Alphonse Louis Constant). É importante notar que existem reais semelhanças entre os dois sistemas, embora eles não se ajustem perfeitamente quando o tema é estudado com profundidade. Os defensores dessa ligação apontam as seguintes "coincidências":

- O Alfabeto Hebraico possui 22 letras, que estão relacionadas com os caminhos da Árvore da vida e a cada uma são atribuídos significados simbólicos. Note: 22 Arcanos Maiores
- A Cabala se aprofunda nas quatro letras do nome impronunciável de Deus, YHVH. Elas representam os quatro mundos da criação, os quatro elementos básicos da ciência medieval (água, fogo, ar e terra), etc. Note: quatro naipes e quatro figuras da corte.
- Dez shephiroth (estágios de emanação) - em cada uma das quatro Árvores da Vida. Note: Arcanos menores possuem cartas numeradas de 1 a 10.

O Estudo da Cabala demanda muito tempo e dedicação, sendo imprescindível que aquele que se interessar pela união dos sistemas saiba ambos profundamente para que deles possa tirar o melhor proveito, sem confundi-los e confundir-se. Tanto a Cabala quanto o Tarô são completos em si mesmos e não necessitam de complementos. Efetuar essa ligação é uma opção, de forma alguma uma necessidade.

O Tarô e a Astrologia

Inúmeros estudiosos da Astrologia que se interessaram pelo Tarô procuraram influências astrológicas nos Arcanos para aprofundar seu significado. Um exemplo de tarô que utiliza a astrologia é o de Toth, onde cada carta possui uma influência de um planeta num determinado signo. Além disso, um método de tiragem muito utilizado é a Mandala Astrológica, que consiste em colocar em cada casa zodiacal um Arcano e baseado em seus significados estabelecer a interpretação.

O Tarô e o Apocalipse
Por Marcelo Brasil

Nunca concordei muito com a hipótese que o Tarot provem do conhecimento do antigo Egito. Bem pelo contrário.Vamos a um pouco de história. Na Espanha Sarracena, ou seja, sob o domínio árabe, houve uma união dos sábios das três religiões semíticas. Haviam os sufis, místicos muçulmanos, entre eles Ibn El-Arabi, que estava em contato com Rumi, que influenciaram Al-Ghazali. Os cabalistas, místicos judaicos, como Moisés de Leão, provável autor do Zohar, o Livro do Explendor, Moisés Cordovero, o sistematizador da antiga Árvore da Vida e da Cabalá em geral. Assim como os Cátaros, que viviam próximos na França, representantes Gnósticos, o cristianismo esotérico, a Igreja Celta das ilhas britânicas. Além disso, o mundo árabe chegou a Índia, fez comércio com a China e se apoderou de Jerusalém e do Egito. Diferentemente dos europeus, os árabes incentivavam a cultura e eram menos severos quanto a perseguição do que podemos chamar de heresia e misticismo. Ou seja, menos severos e não reticentes.

Essa união das três religiões na península ibérica, causou uma grande circulação de idéias, que até hoje são sentidas de forma marcante no misticismo, esoterismo e ocultismo ocidental. Sufis discutiam com cabalistas, confrontavam a Torá com o Al Coran, com os Evangelhos Apócrifos e etc. A Cabalá foi seriamente influenciada pelos gnósticos, o que podemos notar até nas teorias dos hassidin da Alemanha, bem distante dali, no conceito, por exemplo, do Querubim. Ou seja, o conceito do demiurgo aplicado ao conhecimento judaico, gerando uma mitologia judaica. Isso é extremamente interessante.

Ao mesmo tempo, ainda a Igreja não havia criado a Inquisição, e quando a criou, apenas pegou força e forma durante a Contra Reforma. Por isso, muitos conhecimentos mágicos, remanescentes do Império Romano circularam na Europa, além das antigas formas de cultos vikings, normandas, celtas e etc. Havia, portanto, um clima de conhecimentos e integração de culturas impares até hoje. Imaginemos, portanto, um "sábio" cristão da época, que percebe que o número de capítulos do Apocalipse é 22. E por um acaso, esse número é o mesmo do número de letras do alfabeto hebraico. Isso dá muito que pensar. Não há como negar que havia um ferrenho debate na época de circulação de idéias.Sem uma análise detalhada de cada capítulo, vejamos:

16:1 - "E ouvi ainda do templo, uma grande voz, que dizia aos sete anjos: Ide e derramai sobre a terra as sete salvas da ira de Deus."A idéia de derramar fica bem expressa, por exemplo, da concepção de Crowley do Tarot, quando afirma que o Atu XVI corresponde à ejaculação. O restante do capítulo fala de todas as desgraças possíveis que caem sobre a terra.

17:1 - "E veio um dos sete anjos que tinham as sete taças, e falou comigo, dizendo-me: Vem, mostrar-te-ei a condenação da grande prostituta que está assentada sobre muitas águas."Nesse caso a alegoria com A Estrela é muito clara. Uma mulher com uma taça sobre as águas. Esse capítulo fala de Babilônia, que Crowley chama de Babalon, ou Nossa Senhora Babalon. A correlação é com Nuit e Isis. O restante do capítulo continua a explanar Babalon, a mulher com a taça das abominações à mão. Na magia enochiana, Babalon é uma deusa que "reina" sobre os anjos. Podemos associá-la a Deusa da Bruxaria, assim como a Nossa Senhora, no seu aspecto de Virgem Negra. Gnosticamente falando, corresponde á esposa do Logos Negro, ou Ísis Negra, Hécate, Ishtar e etc.

19:12 - "E os seus olhos eram como chamas de fogo; e sobre a sua cabeça haviam muitos diademas; e tinha um nome escrito, que ninguém sabia senão ele mesmo."

19:17 - "E vi um anjo, que estava no sol, e clamou com grande voz, dizendo a todas as aves que voavam pelo meio do céu: Vinde, e ajuntai-vos à ceia do grande Deus;"Interessante notar que todo o capítulo 19 do Apocalipse trata de símbolos solares, potentes e fálicos. A própria expressão do Logos Solar, masculino e viril.

Evidentemente isso é uma breve e curta descrição. A busca profunda do texto, no original grego deveria ser utilizada.

O Tarô e etc.

Existe atualmente uma moda, onde o tarô está sendo relacionado a cristais, florais, entre outras coisas. Todas essas correlações são válidas entre si. Mas é importante perceber que, apesar do tarô dar margem a todas elas, ele não tem relação direta com nenhuma. Isso varia de acordo com o autor, sua sensibilidade e conhecimento.

Para ilustrar, existe um conjunto de cartas intitulado "Tarô de Ceridwen" onde a autora relaciona animais e plantas de poder aos Arcanos Maiores. Esse tarô, no Arcano XX - O Sol colocou como seu animal de poder o cachorro. No entanto, eu não pude concordar com essa afirmação e se fosse fazer um relacionamento dessa natureza, nesse arcano colocaria o Leão. Isso porque o astro regente do signo de Leão é o Sol.

Finalizando, as correlações existem. Mas são pouco importantes para o aprendizado do Tarô, que não necessita de adendos, sendo extremamente abrangente para sua tarefa principal: autoconhecimento.

0 comentários: